Conhece a história dos bagels?

Comecemos por apresentar o nosso protagonista com aquela que consideramos a sua definição mais original – um buraco com pão à volta. ?
Apesar de ser um símbolo de Nova Iorque, o bagel foi criado na Europa Ocidental, algures entre a Áustria e a Polónia, há aproximadamente 400 anos. Há quem acredite que foi cozinhado pela primeira vez em Viena, Áustria, por encomenda do rei, que adorava andar a cavalo e, por isso, foram feitos pães em forma de estribo, que depois se foram fechando, até chegarem à forma sedutora de hoje em dia. ??
Ao longo da História, assumiram lugar de destaque nas tradições das comunidades de judeus que, durante a grande vaga de imigração registada no início do século XX, levaram consigo a preciosa e ancestral receita para os EUA e Canadá. Já nessa altura, era impossível resistir-lhes! Os bagels estavam destinados ao sucesso e, rapidamente se tornaram parte integrante da cultura gastronómica das cidades de Nova Iorque e Montreal.
Os bagels tradicionais são confecionados segundo uma receita que atravessou o mundo e várias gerações. Antes de irem ao forno, são mergulhados em água a ferver com ingredientes (secretos e diferentes consoante a receita!) que os tornam únicos! São estas particularidades e o facto de serem confecionados artesanalmente, que lhe conferem a textura tão suave e característica, que resulta de forma perfeita tanto com recheio doce como salgado.
Cream cheese, salmão fumado, carne maturada, hummus, pesto, manteiga de amendoim, compotas caseiras…são alguns dos recheios clássicos. Os mais criativos podem levar os seus bagels para casa e fazer combinações improváveis! Os apreciadores mais aficionados gostam, inclusivamente, de saboreá-los simples, um pouco à semelhança de quem toma café sem açúcar para sentir o seu sabor genuíno. Seja como for, em Nova Iorque, em Lisboa em outra qualquer cidade, o amor por estes “viajantes” é incondicional! ?
• “If you eat your bagel, you’ll have nothing in your pocket but the hole” – Provérbio judeu